sábado, 4 de agosto de 2012

Liberdade

LIBERDADE (latim libertas, -atis) s. f. 1. Direito de proceder conforme nos pareça, contanto que esse direito não vá contra o direito de outrem. 2. Condição do homem ou da nação que goza de liberdade. 3. Conjunto das ideias liberais ou dos direitos garantidos ao cidadão. 4. [Figurado] Ousadia. 5. Franqueza. 6. Licença. 7. Desassombro. 8. Demasiada familiaridade


"Realmente, só pelo fato de ser consciente das causas que inspiram minhas ações, estas causas já são objetos transcendentes para minha consciência; elas estão fora. Em vão tentaria apreendê-las. Escapo delas pela minha própria existência. Estou condenado a existir para sempre além da minha essência, além das causas e motivos dos meus atos. Estou condenado a ser livre. Isso quer dizer que nenhum limite para minha liberdade pode ser estabelecido exceto a própria liberdade, ou, se você preferir; que nós não somos livres para deixar de ser livres."
[Jean-Paul Sartre, in O Ser e o Nada (1943), Quarta Parte]

Muitos filósofos têm escrito sobre a liberdade. Falamos sobre liberdade — liberdade para fazer o que quisermos, para ter o emprego de que gostamos, liberdade para escolher uma mulher ou um homem, liberdade para ler qualquer livro, ou liberdade para não ler absolutamente nada. Somos livres, e o que fazemos com essa liberdade? Usamos essa liberdade para nos expressarmos, para fazer aquilo de que gostamos. A vida está se tornando cada vez mais permissiva — você pode fazer amor no parque ou no jardim.
Temos toda espécie de liberdade, e o que temos feito com ela? Pensamos que onde há escolha há liberdade. Eu posso ir à Itália ou à França: é uma escolha. Mas a escolha dá liberdade? Por que temos que escolher? Se você é realmente lúcido, tem uma compreensão exata das coisas, não há escolha. Disso resulta uma ação correta. Apenas quando há dúvida e incerteza é que começamos a escolher. A escolha, então, se vocês me permitem dizê-lo, constitui um empecilho para a liberdade.
Nos estados totalitários não há liberdade alguma, pois eles têm a idéia de que a liberdade produz a degeneração do homem. Portanto, eles controlam, reprimem — vocês sabem o que está acontecendo.
Então, o que é liberdade? É algo que se baseia na escolha? É fazer exatamente o que queremos? Alguns psicólogos dizem que, se você sente alguma coisa, não deve reprimi-la ou controlá-la, mas deve expressá-la imediatamente. Jogar bombas é liberdade? — veja apenas a que reduzimos a nossa liberdade!
A liberdade está lá fora, ou aqui dentro? Onde você começa a procurar pela liberdade? No mundo exterior — onde você expressa o que quer que você queira, a tal liberdade individual — ou a liberdade começa dentro de você, para então se expressar inteligentemente fora de você? Compreendeu a minha pergunta? A liberdade só existe quando não há confusão dentro de mim, quando, psicologicamente, religiosamente, não há o perigo de eu cair em nenhuma armadilha — você entende? As armadilhas são inúmeras: gurus, sábios, pregadores, livros excelentes, psicólogos e psiquiatras — tudo armadilhas. E se estou confuso e há desordem, não preciso, primeiro, me livrar dessa desordem antes de falar em liberdade? Se não tenho nenhum relacionamento com minha mulher, com meu marido, ou com outra pessoa — porque nossos relacionamentos são baseados em imagens — surge o conflito, que é inevitável onde há divisão. Então, não deveria eu começar por aqui, dentro de mim, na minha mente, no meu coração, a ser totalmente livre de todos os medos, ansiedades, desesperos, e das mágoas e feridas de que sofremos por causa de alguma desordem psíquica? Observe tudo por si mesmo e livre-se disso!
Mas, aparentemente, nós não temos energia. Nós nos dirigimos aos outros para que nos dêem energia. Falando com o psiquiatra nós nos sentimos aliviados — a confissão e tudo o mais. Sempre dependendo de alguma outra pessoa. E essa dependência, inevitavelmente, causa conflito e desordem. Então, temos de começar a compreender a profundeza da liberdade; precisamos começar com aquilo que está mais perto: nós mesmos. A grandeza da liberdade, a verdadeira liberdade, a dignidade, a sua beleza, está em nós mesmos quando a ordem é completa. E essa ordem só vem quando somos uma luz para nós mesmos.
Jiddu Krishnamurti


Ainda não havia escrito aqui sobre a minha nova tatuagem: 11 pássaros saindo de uma gaiola. É, agora já são nove desenhos. Sei que um dia vou envelhecer e não me importo se terei que esticar a pele para ver os desenhos eternizados no meu corpo quando jovem... Talvez porque além de "enfeitar" cada um acaba representando uma marca na alma e/ou uma ideologia defendida em determinada época da minha vida. Sim, é isso mesmo... Eu vejo a tatuagem como algo que explicita o estilo, o gosto pessoal e a ideologia de uma pessoa.  De uma certa maneira, ao faze-las eu me sinto livre e dona do meu corpo e das minhas vontades. Adoro cada marca que ostento e faço quando tenho alguma ideia, ou quando me identifico com alguma coisa. Ainda que não tenha muita certeza sobre os motivos que me levam a escolher determinado tema, vejo esses desenhos na minha pele como sinônimos de diferenciação. No passado, era uma prática comum nos guetos e até bem pouco tempo as pessoas tatuadas eram discriminadas pela sociedade. E ainda hoje eu esbarro com criaturas que representam esse comportamento. Muitas pessoas olham torto, até mesmo pelo fato de eu ser professora.  Sendo radical, possivelmente são as mesmas que levantam bandeira contra negro, homossexual, mulher... Problemas de nossa sociedade, né?! Vai entender... Não vou me prolongar porque já fiz uma reflexão sobre tatuagem e preconceito neste post aqui.Só sei que eu quero que o meu corpo conte a minha história quando eu estiver cansada demais para falar.



2 comentários:

vidaplanob disse...

Então...Meu primo gostoso e tatuador dormiu aqui esses dias.

Aí eu disse a ele que minha última tatuagem nãos eignificava nada. Era só uma maneira de me lembrar: Chega de sofrer, vai se divertir.
Ele disse que quando eu quisesse fazer uma nova, era só dar um toque que o estúdio dele estaria aberto para as minhas ideias originais de se marcar o corpo.

O que é a tatuagem senão uma maneira de dizer que estamos vivos?E felizes?

As pessoas que condenam, mesmo as grandes professoras estão mortas.Elas sabem o que é o amor? Elas sabem o que é voar?
bjs.

artur massai

meus instantes e momentos disse...

que bom conhecer teu blog...
maurizio Bersani