terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Ensinamento, de Adélia Prado

"Minha mãe achava estudo
a coisa mais fina do mundo.

Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.

Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:

"Coitado, até essa hora no serviço pesado".

Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente.

Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo."

(Adélia Prado)


A Adélia é uma das escritoras que mais amo (minha monografia da especialização foi sobre ela!) e apesar de ser suspeita para falar, na minha humilde opinião o poema é perfeito ao falar de amor.
Poucos poemas que abordam essa temática amorosa (que diga-se de passagem é bem batida, né?) me tocam tão profundamente quanto esse.

Bom é ser feliz ao lado de quem te faz bem... Ainda que ele seja estranho, confuso, considerado feio pelos outros, imaturo, ciumento, curta coisas que você não gosta e um milhão de outros fatores que podem ser considerados "problemas" na relação.
Sei lá, mas desde que haja sintonia, respeito às diferenças e sentimento na medida exata para que você seja feliz e faça com que o outro
também se sinta nas nuvens pra mim tá valendo, hehe!
Então precisa definir? Racionalizar? Dar nome aos bois?
Classificar?

E ainda assim, por que será que mesmo sendo um sentimento sublime (no poema foi colocado acima até do estudo, do conhecimento...) a palavra amor é tão banalizada hoje?
As pessoas usam indiscriminadamente e saem por ai magoando outras pessoas e ferindo sentimentos...

Mas até que ponto cada um não é responsável pela dor sentida?
Na minha não tão vasta experiência sobre o assunto acredito que os sentimentos verdadeiros não se explicam em palavras.

Assim como aconteceu no poema, muitas vezes temos essa "resposta" no cotidiano, através dos momentos compartilhados e das omissões.


É um poema tão pequenino e que ainda assim fala muito sobre o cuidado e atenção que devemos ter com aquele que amamos, já que as ações acabam sendo mais importantes que as palavras, né?!
Mas enfim - porque já estou filosofando demais - alguém quer minha receita para não sofrer por causa de amor, do que sentimos e julgamos ser amor e do que nos dizem ser amor?
Infelizmente não tenho, apenas coloco na balança se o saldo tem sido positivo e procuro viver de modo a retribuir a felicidade que é proporcionada a mim!

Simples assim.

10 comentários:

Mari disse...

"Na minha não tão vasta experiência sobre o assunto acredito que os sentimentos verdadeiros não se explicam em palavras. "

Isso eu já senti, não há como colocar em palavras o que eu verdadeiramente sinto.

Esconderijo disse...

Amor é algo tão simples, que somos complexos demais para definí-lo. Penso mais ou menos como você. Gostei do texto.

Um abraço>

http://escondidin.blogspot.com/

Aninha disse...

parabens pelo blog, muito lindoooooooooooooooo
vou segui-lo e ai d vc se nao seguir o meu viu? rsrsrs
gostei muito daqui e vou aparecer sempre!!!


http://www.appstf.blogspot.com


bom dia =)

Aninha disse...

vamos nos ajudar sim...
nossa depois q mudei de cidade engordei muitoooooooooo
vamos nos vigiar entao :)

HoneyBee disse...

Pois é, um dos motivos pelo qual sou tão ressabiada com poesia de internet é a banalidade do "eu te amo". Poesia de amor de verdade, não precisa disso. Gostei muito do texto (e da poesia, que não conhecia...).

Diego disse...

hummmm mas isso vai de pessoa para pessoa...é algo dificil mesmo de compreender...

mateusbonez disse...

Sim, amar é surreal. *-*
Linda analise ;D

http://tiomah.blogspot.com/

Lucas disse...

Sim, haha, muito pouco, aspirante ainda.
Depende do ponto de vista, como tudo, sim? ;]

PequenAprendiz disse...

Olá AnaGabi!
Que post lindo!
Me deixou com os olhos úmidos!
Você tem toda razão... que importa se a outra pessoa é toda diferente da gente, se nos completa e nos faz feliz?

Beijo moça!

http://pequen4prendiz.blogspot.com/
http://pequen4prendiz.blogspot.com/

Mulherzinha Sim! disse...

Valeu pela visita. Volte sempre!!!

Bjo