domingo, 10 de fevereiro de 2008

Só as chatas são solteiras

Por que tem tanta mulher avulsa hoje em dia? Não acho que seja pela reprodução acelerada dos fãs de sauna nem por culpa da carga de trabalho insana. Também não é por causa da balela (contada com ares de conquista) de que ficamos tão independentes a ponto de nos arrepiarmos com a idéia de um macho peludo pentelhando nossa paciência. A razão para ter tanta mulher solteira é simples e cruel: porque o mundo está cheio de mulher chata.
A coisa mais comum em parques, bares, restaurantes e escritórios é mulherada reclamando. Por tudo e qualquer coisa. Se o cara não deu sinal de vida depois da primeira transa: credo, que escroto. Se mandou flores depois da primeira transa: ih, que careta. Se ligou todo simpático no dia seguinte: coitado, é inseguro. Se falhou no que deveria ser a primeira transa: o desgraçado é um broxa. Se o cidadão não quer um relacionamento fixo e deixa isso claro: putz, que galinha. Se não deixa isso claro: putz, que sabonetão. Se quer namorar pra valer: putz, sabe que eu não sei se estou disposta a abrir mão da minha liberdade?
Ah, fala sério, não dá para ter paciência com essas fêmeas surtadas, não. Eles estão mais é certos de preferirem tomar uma cerveja com os amigos a encarar um cineminha com uma mocinha simpática que pode, em questão de horas, se transformar num bicho-do-mato ou num bicho-preguiça; ou sair correndo e bradando "Sou uma mulher moderrrrrrrrrrna!"; ou grudar feito ventosa e começar a escorrer melado.
Não acredito em "surto de solteirice". Isso é bobagem criada pelas mal-amadas ou trocadas: só falta homem para quem é pentelha demais, excessivamente cobradora, doentiamente independente ou que tenha a cara de um cachorro pug com gripe. Mas, acima de tudo, falta homem para dois tipos de mulheres: aquelas que estão sozinhas e continuam agindo como se não precisassem de ninguém e as que ficam praticamente sem ar se não tiverem um ser para chamar de "tchuchuco". Peraí! Namorados são bons para animar a vida, partilhar o cotidiano, levar o cachorro pra passear na rua, comprar remédio para cólica em noites de chuva. Eles não devem ser tratados como estandarte da luta contra a opressão feminina nem dão, por si só, sentido à vida de ninguém. São apenas homens com quem podemos ser mais felizes.
Se você está há muito tempo sem um bípede do sexo oposto para chamar de seu e já nem se lembra como passar um domingo a dois, pode ser que não aja nenhuma conspiração mundial ou um raro alinhamento dos astros que intervenha malignamente sobre sua vida amorosa. Talvez seja tudo muito mais simples e mais fácil de resolver: talvez você seja, ou esteja, chata.

(Ailin Aleixo)


Amoooooo!

Generalizou, mas falou a verdade!
Triste foi chamar de Fêmea surtada...

2 comentários:

Arnaldo Sobrinho disse...

Que bom humor, adorei. No fundo é isso mesmo, ainda que eu acrescente outras espécies de "fêmeas surtadas". Umbeijo procê, Gabi.

mariana disse...

hahaha!