quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Vaidosa, eu?!

Bem hoje vou postar sobre um assunto sobre o qual eu tenho muita base pra falar (Garota humilde, hein?!). Mas a verdade é que todo mundo que me conhece sabe o quão vaidosa eu sou, né?! E mesmo quem não me conhece pessoalmente mas é meu amigo virtual só de ver meu orkut e flickr já pode perceber que eu demoro um tempão pensando na roupa, brinco, sapato, acessórios e maquiagem que vou usar para sair naquele dia; seja para ir a um casamento, na rua bater perna, ao bar ou simplesmente sair para dar minhas aulinhas.
E me sinto muito bem tanto ao olhar no espelho e gostar do que vejo quanto ao andar na rua e perceber que chamo a atenção dos passantes. Tenho horror de parecer comum, sabe?! Não ter identidade, ser mais uma na multidão... Fico feliz ao saber que certas coisas são minha marca registrada. Respeito quem pensa diferente, mas para mim é assim que tem que ser.
Mas enfim, achei este texto no blog Hoje vou assim (o link tá nos meus preferidos, tá?!) e babei, porque ele representa tudo o que eu penso sobre moda:


Já parou pra pensar que você é sua própria estilista?
Que ao acordar você se prepara para um desfile diário, voluntário ou não, e ao se vestir faz suas escolhas?
Já parou pra pensar que, assim como o estilista elege cores, formas, texturas, estampas, você seleciona as suas entre o que está disponível por aí?
Que, como os estilistas, você também é influenciada pelo mundo que está à sua volta e pelo seu próprio humor, pelas alegrias e tristezas, dias de tédio ou paixão?
Que ao fazer uma simples combinação de cores, texturas, estilos, você está mostrando a sua forma de ver a vida?
Já parou pra pensar que a moda pode ser futilidade quando dela somos escravos, mas pode ser arte quando a usamos como forma de expressão?
Que a escolha de uma roupa para vestir não precisa se pautar por ela ser ou não tendência, mas por combinar ou não com você?
Já parou pra pensar em novas combinações para velhas peças?
Já parou pra pensar que tem dias que a gente é criativo e, em outros, alguém já foi criativo por nós, e isso facilita?
E que nessas horas você veste a sua admiração por um artista? Já parou pra pensar que o seu guarda-roupas é a sua coleção?
Que a moda pode ter tanta inspiração quanto um quadro, uma escultura, uma música, um filme?
Que a moda pode ser arte andando por aí?
Já parou pra pensar nisso? Eu já.

(Cris Guerra)

Sinceridade, quando vejo mulher desarrumada na rua, com cabelo mal tratado, unha feia e blablablá tenho vontade de levar para um banho de loja e uma ida ao salão, hehe!
E sou assim há séculos, mas com o passar do tempo eu estou piorando ainda mais. Talvez seja porque na adolescência eu disfarçava, é a fase em que somos mais inseguros e temos medo do julgamento das pessoas e tal... E mesmo sem ter pose de nerd eu sempre fui uma das melhores da classe e na minha mente as pessoas me julgariam como fútil caso eu demonstrasse esse meu lado totalmente mulherzinha, sabe?!
Bom, nem sei se é por isso, só fiz essa reflexão agora porque uma das coisas que eu mais odeio é quando alguma mulher mulamba vem pro meu lado dando uma de superior achando que é mais foda que eu apenas porque eu to toda emperequetada e sem nem saber nada da minha vida acha que eu sou uma vítima da moda futilzinha! Pra mim vaidade e beleza podem andar ao lado da inteligência sem problema nenhum, ok?! Ufa! Desabafei!
E agora essa questão do passar do tempo nos tornar mais desencanadas com a opinião dos outros me fez lembrar do texto Chapéu Violeta, que circula na net como sendo da autoria de Mario Quintana, mas eu não tenho certeza se é mesmo e inclusive achei o texto com várias versões, mas optei por esta aqui:

Aos 3 anos ela olha pra si mesma e vê uma rainha.
Aos 8 anos ela olha pra si mesma e vê Cinderela.
Aos 15 anos ela olha pra si mesma, vê uma bruxa e diz:
"Mãe, eu não posso ir pra escola desse jeito!"

Aos 20 anos ela olha pra si mesma e se vê "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas decide que vai sair assim mesmo...
Aos 30 ela olha pra si mesma e se vê "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas decide que agora não há tempo para consertar essas coisas.
Então, sai assim mesmo..
Aos 40 anos ela olha pra si mesma e se vê "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado".
Mas diz: "sou uma boa pessoa" e sai mesmo assim...

Aos 50 anos ela olha pra si mesma e se vê como é.
E vai para onde ela bem entender...

Aos 60 anos ela olha pra si mesma e se lembra de todas pessoas que não podem mais se olhar no espelho.
Sai de casa e conquista o mundo...

Aos 70 anos ela olha pra si mesma e vê sabedoria, risos, habilidades...
Sai para o mundo e aproveita a vida...

Aos 80 anos ela não se importa muito em olhar pra si mesma.
Simplesmente põe um chapéu violeta e vai se divertir com a vida...

TALVEZ DEVÊSSEMOS POR AQUELE CHAPÉU VIOLETA MAIS CEDO...

Acho que já uso o chapéu violeta, geeente! Sou tão desencanada, dou a cara pra bater no blog, no flickr, no orkut e na vida!
E não to nem aí, hehe!
Beijo para todos porque já são quase cinco horas e meu namorado tá chegando daqui a pouco pra passar o fim de semana comigo aqui em Três Rios.


OBS: É claro que apesar de ser vaidosa e me incomodar com detalhes que algumas pessoas acham bobagens eu sei muito bem que o que realmente importa na minha vida e que cativa as pessoas é o que cultivo por trás dessa argamassa de maquiagem que eu uso quase diriamente, ok?!

Um comentário:

Barbara Bastos disse...

Afff Maria, não é que tudo que vc falou falou no texto já passou pela minha cabeça.
Adorei!
Gosto muito de ler textos em blogs. Também tenho um, onde posto minhas idéias sobre tudo. Depois vc dá uma conferida: http://ideiasdebarbara.blogspot.com

Bjs