quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Toda mulher tem um quê de Capitu


Acabei de ler o livro Quem é capitu? - Contos, crônicas e ensaios sobre a personagem mais enigmática da literatura brasileira - organizado por Alberto Schprejer, da Editora Nova Fronteira, que faz parte do Grupo Ediouro.
Alguém me explica como um livro escrito em 1899 continua bombando até hoje?! Mistérios do bruxo do Cosme velho, né?
Se fizermos uma eleição entre os leitores desse país para decidir quem é a personagem feminina mais polêmica, mais importante ou mesmo mais bonita da literatura brasileira, a Capitu de Machado de Assis provavelmente venceria com folga nos três quesitos, principalmente no primeiro deles.

Gente, há mistério até na sua descrição! Nas palavras do organizador deste grande lançamento, segundo o livro Dom Casmurro os olhos são claros, o nariz é reto e comprido, a boca, fina: ela pode ser branca. No entanto, os cabelos são grossos e a designação de morena sugerem que ela pode ser também uma mestiça. As roupas destacam a pobreza e a condição de provável agregado doseu pai, o que reforça a segunda possibilidade. Mas a aparência "verdadeira" de Capitu fica apenas no terreno das possibilidades, deixando para cada leitor a tarefa de sonhar sua personagem.

A partir daí, percebemos que na boca do povo, Capitu ora é vilã (por ter traído seu marido amoroso), ora a vítima (por não ter direito nem a voz nem a defesa no julgamento que Bento Santiago promove), ora, ainda, uma feminista antes do feminismo.

Mas independente do que você acredita, caro leitor do meu blog, sei que concorda quanto ao fato de capitu ser uma personagem fascinante, né? Por isso mesmo esse livro é uma ótima leitura, já que traz olhares de grandes nomes sobre este enigma, que até hoje não foi respondido, pois Machado escreveu o livro deixando lacunas que podem ser preenchidas de acordo com a visão que o leitor quiser defender, já que há argumentos tanto para a traição quanto para a defesa, mas enfim, esse papo de traiu ou não traiu é o que menos importa, né?

Eu gosto é desse mistério todo, da construção da personagem, da ambiguidade...
Isso é próprio de mulheres marcantes. Mulher tem que se impor e jamais abaixar a cabeça ou anular a sua personalidade. Toda mulher que se preze tem que ter um quê de Capitu, né? Adoro quando Bentinho confessa que ela é muito mais mulher do que ele é homem e deliro com o capítulo da discussão final, antes dela sair de casa.

Eis alguns nomes do grande time que escreveu para o livro: a atriz Fernanda Montenegro, o diretor Luiz Fernando Carvalho, a historiadora Mary Del Priore, os escritores Lya Luft, Lygia fagundes Telles, Luis Fernando Veríssimo e Millôr Fernandes. Além de escritores, professores e críticos, há também contribuíções de um psicanalista, um antropólogo e um biógrafo.


Destaco os seguintes artigos:

- Uma nação Capitu, da atriz Fernanda Montenegro, pois ressalta que o olhar de Capitu estaria subdivido no olhar da brasileira, como se fosse patrimônio do feminino brasileiro. E a metáfora que ela criou no título do seu artigo foi perfeita: "Não estou circunscrevendo Capitu à ossa aldeia. Ela é universal como literatura e omo perfil de mulher. Indo além do que já ousei e me arrisquei nestes parágrafos, intuo que, embora o Brasil seja nome masculino, nosso país, por nossa complexidade oblíqua, energética, misteriosa, pela nossa história contada sempre de uma forma tão dissimulada e pelo fascínio tão decantado de nossos trópicos, é, no fundo, uma nação Capitu."

- Capitu c'est moi?,
do diretor Luiz Fernando Carvalho. Como ele foi o responsável pela microssérie Capitu, há uma série de trechos e ilustrações retirados do caderno de anotações dele durante os ensaios para s gravações.

- Capitu ou a mulher sem qualidades, da historiadora
Mary Del Priore (amo essa mulher, li alguns livros dela quando fiz a monografia da minha especialização!) faz um recorte da mulher brasileira, refletindo sobre a identidade, o papel e a sua posição na sociedade.

- O caso da senhora Santiago,
do professor e escritor Gustavo Bernard é fabuloso! Mescla a história de Dom Casmurro com a do conto O alienista, inserindo até mesmo Machado de Assis como personagem da história, tá?!



Enfim, o livro é simplesmente ma-ra-vi-lho-so!
Recomendadíssimo!



14 comentários:

Aninha disse...

oiee amiga!!!
bom qto ao post meu de hj, tipo nao eh a familia de verdade dele, é o pessoal da seita q ele faz parte, mas tudo bem... espero q nem todos sejam assim... afinal eh como se fosse a religiao dele neh, depois da uma olhada na net q vc vai ver como eh mais ou menos...
bjsss e obrigada pelo apoio sempre!!! e força ai :D

Cila Bairral disse...

Tem um desafio pra vc no meu blog

Bjokas

Cila

O Profeta disse...

A terra dorme em sobressalto
Um grito brota da alma
Danço com esta bruma de Inverno
Rodopia em meu peito uma estranha calma

Águas despertas, Mar bravio
Cai sobre mim um nevoeiro perverso
Uma onda estende seu manto de espuma
Açoita as pedras adiando o regresso


Bom fim de semana


Mágico beijo

PequenAprendiz disse...

Olá Ana Gabi!
Concordo contigo, Capitu é extremamente marcante na literatura brasileira.
Sem palavras para descrever o talento machadiano ao pintar uma personagem como ela.
Logo me recordo dessas palavras: "A capitu de olhos oblíquos de cigana dissimulada, olhos de ressaca".
Um beijo pra ti moça!

Cynthia disse...

Sou louca pra ler Capitu, mas nunca li... deve ser bom mesmo!

Beijo!
;)

Rafaela. disse...

Ah, quando terminei o Dom Casmurro fiquei louca pra ler o livro sobre a Capitu! Acho que já fiz um post sobre a personagem, e realmente é a mais marcante da Literatura Brasileira. A propósito, a "minha" Capitu não se parece com a Maria Fernanda Cândido :D

Fabricio Hans® disse...

Ana Gabi,
respondendo sua pergunta no meu blog, é sim baseado no livro Anjos e Demônios...alias muito bom.

Quando bati o olho achei bacana o tema sobre Capitu.
Não conheço esse livro.Li "Dom" e assisti "Capitu".é uma enigmática essa mulher.

Haveria muitas Capitus agora? eis a pergunta...e muitos bentos?

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Confesso que só li Memórias Póstumas de Brás Cubas. Mas desde lá comecei a admirar a obra de Machado de Assis. Ele escreve de uma forma totalmente original e como você mencionou, ele deixa algumas lacunas para o leitor formar sua própria opinião.
Eu adorei a adapetação da micro-série Capitu. Ficou muitgo parecido com "Dia de Maria", que também passou na Globo.
O Luis Fernando, conseguiu resgatar a alma do teatro para a Tv. E o resultado não poderia ser melhor.
Em relação ao livro, perece ser intressante, pois Capitu foi muito polêmica e um autor só não conseguiria traduzir a figura de Capitu.

Bala Salgada disse...

Todas mulheres tem um pouco sim, afinal só queremos amar e sermos amadas!

Beijos linda!

Deni disse...

bna verdade toda mulher é enigmatica e dificil d entender.
a capitu foi favrecida pela época
em q atos assim eram mais dificieis d ocorrer...
hoje em dia a mulher misteriosa se confunde entre charme e capitunisse
aoaisoajsoiajsa

enfim . . .
vai saber neh


parabens pelo blog viow.
quando puder me visite em:
www.bagageirodocurioso.spaceblog.com.br


abraço!

Josi Puchalski Sousa disse...

Adorei este livro! Parabéns pelo blog,gostei muito! Passarei sempre aqui!

Beijão

Me visita lá : http://minhasmisturas.blogspot.com/

DEUSA PAGÃ disse...

oi linda! tava sumida um tempo..
tive que viajar às pressas...heehehe
mas já tô de volta...
ah! tem selinho pra vc...
e aproveita pra ver a continuação do capítulo quatro..bjoooo
Tiely.

Haydée Borges disse...

Pois acho que é isso: o papel da literatura é nos fazer sonhar e fazer com que nós criemos a nossa história. Não é ser objetiva e detalhista. Pra isso existe a vida real, que sem a ficção seria um saco. Viva a literatura!

Nayane disse...

ótima dica de livro, obrigada!

"Capitu
A ressaca dos mares
A sereia do sul
Captando os olhares
Nosso totem tabu
A mulher em milhares
Capitu"
(Zelia Ducan)

Essa música é linda.

Beijão e tenha uma semana repleta de poesia e amor! Abraços...