terça-feira, 7 de abril de 2009

O Teu Cabelo Não Nega


O teu cabelo não nega mulata
Porque és mulata na cor

Mas como a cor não pega mulata Mulata eu quero o teu amor

Tens um sabor bem do Brasil

Tens a alma cor de anil

Mulata mulatinha meu amor

Fui nomeado teu tenente interventor


Quem te inventou meu pancadão
Teve uma consagração

A lua te invejando faz careta
Porque mulata tu não és deste planeta


Quando meu bem vieste à terra
Portugal declarou guerra

A concorrência então foi colossal

Vasco da gama contra o batalhão naval


(Composição: Lamartine Babo-Irmãos Valença)


Vocês já pararam para pensar que essa marchinha de carnaval declara o preconceito?


De cara já aparece "como a cor não pega, mulata/ mulata, quero o teu amor" e pra mim é óbvio que o cara quer a mulata, mas não queria ser da cor dela...
E realmente, no senso comum a mulata é sexy, né?
São marcas sutis do racismo em uma letra de 1932. E essas referências podemos encontrar nas músicas, na literatura, nas artes, nos meios de comunicação...
O
racismo brasileiro é muito sutil, e até por isso mesmo extremamente perverso.E ainda tem o lance do "teu cabelo não nega", mas isso rende assunto até pra outro post, porque esse negócio de cabelo é uma vaidade que nós mulheres cultivamos porque nunca estamos satisfeitas, seja ele liso, crespo, loiro, ruivo, negro... Então para mim o importante é se amar, conhecer e aprender a respeitar a cultura negra e entender que a diversidade é maravilhosa!

Mas o que realmente me entristece é que o preconceito hoje é até pior, porque não é apenas contra negros. mas também atinge homossexuais, pobres, feios, gordos, portadores de HIV e tudo o que não está dentro de um padrão julgado (sabe-se lá por quais critérios) como aceitável. Difícil, né?!

Bem, é isso...

Só queria que as pessoas que passarem por aqui reflitam que certas coisas que dizemos ou atitudes que tomamos podem ofender alguém e até mesmo sem perceber, podemos agir de forma preconceituosa.



7 comentários:

Rafaela. disse...

É, acho que é inevitável ofender alguém de vez em quando, mesmo no inconsciente :/
E sabe de uma coisa? Adoro essa música e nunca havia percebido esse preconceito nas "entrelinhas", enfim, tais entrelinhas geralmente são traduzidas por professoras de Português, como aconteceu no colégio hoje, sobre uma obra do João Cabral de Melo Neto, "Tecendo a Manhã"; só fui entender a moral da história depois de muita, mas muita explicação :)

Thais Puga®. disse...

De fato .. as mulatas arrasam ... fora que a maioria das mulates tem um estilo, que é de dar inveja em qualquer um!

Concordo com você que o trecho citado no post... mostra um pouco do preconceito daquela época, mas acho que quebra tal preconceito quando ele já passa a falar com admiração da mulata.

Mas ótima observação.
Muito bacana o blog.
bjos. xD

Lucia Cintra disse...

Eu ja nao notei preconceito nessa musica, nem experenciei coisa parecida qdo morava no Brasil e tenho amigos de tudo qto eh cor e naturalidade.

Notei mt racismo aqui nos USA, mas vindo dos proprios negros que se separam. Qdo nao ouvia falar em coisas bobas la no Brasil, aqui eles fazem uma grande coisa.

Se vc acha q ha preconceito no pais, ficaria de boca aberta pra certas coisas aqui. E olha que nem moro num estado conservador, mas vejo mt coisa por televisao e noticias.

Prix disse...

Como vc disse... são marcas sutis.
As pessoas tendem a pré-conceituar tudo, não sabemos uma vírgula sobre tal assunto ou tal pessoa e mesmo assim julgamos! Criamos conceitos sobre algo que não conhecemos. Acredito que aqui funciona mais ou menos assim, diferente de outros países, se o cara tem uma certa cultura e $$ no bolso dificilmente sofre preconceito declarado... fato!

Até!
=]

Mari disse...

Tb vejo preconceito nesse trecho. Eu estou acima do peso e me sinto extremamemente incomodada com isso, as vezes não me vejo em certas ocasiões sociais por causa disso, ou seja, carrego em mim uma pressão social difícil de deixar de lado.

Barbara Bastos disse...

Ótimo Post!!
Bjs

João Paulo disse...

Bem... acho que Lamartine não pensou assim, pensou que a cor não é doença!! E que por isto ele quer o amor da mulata! Até porque se cor pegasse, a cor dele poderia ir para ela, e ele não quer o amor de uma branca, ele quer o amor da mulata!! Não acho que foi um preconceito!
É uma marchinha de carnaval!! brinca, ironiza!
Olha o outro verso: A Lua te invejando fez careta! Porque mulata, tu não és deste planeta