quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Pré-conceitos

Hoje é dia 20 de Novembro e aqui no RJ é feriado pois comemoramos o dia da Consciência Negra.
Não sou hipócrita e admito que essas medidas contra o preconceito muitas vezes são paliativas, mas ainda assim são válidas.

"...Só então eu me dei conta de que, em vez de ficar tentando formar idéias a respeito dos outros com base nesses pré-conceitos (a maioria furados), eu deveria simplesmente prestar atenção no que aquela pessoa tinha a me dizer. O que ela, como ser humano, tinha lá dentro de si. E foi então que eu descobri coisas maravilhosas. Algumas até que jamais imaginei encontrar. Descobri uma coisa triste também. Quantas pessoas eu havia deixado de conhecer, quantas coisas eu havia deixado de aprender por causa desses malditos preconceitos?..."
Valéria Piassa Polizzi (portadora de HIV)


O que me entristece é que (ainda em 2008) o preconceito não é apenas contra negros, mas também atinge homossexuais, pobres, feios, gordos, portadores de HIV e tudo o que não está dentro de um padrão julgado (sabe-se lá por quais critérios) como aceitável. Difícil, né?!

Bem, não sei se algumas pessoas sabem, mas eu também tenho orkut e flickr, e neste último no meu grupo de contatos ocorreu um problema e acho válido divulgar para propor reflexão.
Peço que não ataquem essa garota, deixando recados no blog dela, porque ela tem os seus motivos para dizer o que diz e liberdade de expressão deve ser respeitada. Ainda mais que ela postou no blog dela, né?! E tem o direito de escrever o que quiser naquele espaço, acho que só agora a Luiza tá se dando conta de como o post dela foi infeliz e preconceituoso. O negócio mesmo não é O QUE se escreve, mas principalmente COMO se escreve. Se o enfoque tivesse sido a preocupação com a saúde e não com a beleza seria mais facilmente entendido.
Mas enfim, eu também não estou aqui para julgar o que ela disse, tanto que apesar de falar pelos cotovelos (Vide meus posts, que costumam ser enormes, hehe!) só coloquei a citação da Valéria, retirada do livro Depois daquela viagem, e tentei comentar o mínimo possível aqui. Apenas o necessário para que as pessoas entendessem o que aconteceu.

Só estou divulgando para que vocês leiam e tirem suas próprias conclusões, fazendo uma reflexão no dia de hoje sobre o respeito à individualidade e ao jeito de ser do outro, seja ele negro, português, homossexual, pobre, gordo, com HIV, idoso ou paraense, porque antes de tudo somos todos seres humanos.

Este é o blog da Lu: http://chatadegalocha.blogspot.com/2008/08/sacanagem-n.html
(Depois da polêmica que foi gerada, ela já editou se explicando).

E abaixo segue o texto que a Anninha postou no flickr dela e que levantou a polêmica entre um grupo de amigas (do qual eu faço parte) que se conheceu numa comunidade do orkut chamada Loucas por Maquiagem e que depois foi extendido para o flickr. Pelo nome do grupo já da pra ver que a gente tinha tudo para idolatrar a vaidade, mas nossa ambição é valorizar os nossos pontos fortes com maquiagem, não se esquecendo de nossa essência.
Não vou colocar o link pq o flickr dela é aberto só para amigos:

"Na época da inquisição, mulheres dotadas de maior sensibilidade, inteligência e discernimento eram queimadas como bruxas, hereges.
Isso é preconceito.
Oculto por uma camada de preocupação pelos descendentes e pela igreja e blá blá blá, mas é preconceito.


Os sulistas americanos tratavam os negros como seres inferiores, como que dotados de alguma doença, por não terem a pele alva.

Isso é preconceito.
Oculto sob uma camada de preocupação por eles serem doentes e esse mal fictício atingir o resto da população (branca), mas é preconceito
.
Os gays, lésbicas e afins até hoje são tratados com repugnância, descaso por parte da população, apenas por não seguirem algum tratado idiota de que homem transa com mulher e vice-versa e nada mais.
Isso é preconceito.
Mascarado com uma preocupação de que os gays são doentes, mas é preconceito
.

A Luiza acha que uma menina gorda é um lixo (atenção para as palavras que ela usou como marcador) e que são doenças e, pior, que ela não é preconceituosa, só está preocupada com as pessoas que engordam e podem morrer por que são doentes.

Ela também participou do concurso "shoot yourself famous" (cada guria gata, viram?) e depois pediu que mudassem a foto dela por que ela parecia gorda na montagem. E, credo, ser gorda é um crime!

Repito. Qualquer forma de preconceito é abominável!

Eu não ia falar nada, sabe? Levantar mais uma polêmica...
Mas não adianta fechar os olhos pras coisas que estão erradas e deixar que parasitas assim infestem o mundo que a gente tenta tanto mudar.


Beijos! "


Quero ressaltar que ela já fez um post se explicando e pedindo desculpas caso tenha ofendido alguém.
O link está aqui: http://chatadegalocha.blogspot.com/2008/11/o-poder-do-dio.html

É isso aí, devemos rever nossos conceitos!

Bem, é isso...
As coisas que dizemos ou atitudes que tomamos podem ofender alguém e até mesmo sem perceber, podemos agir de forma preconceituosa.

Tenham todos um bom dia!

9 comentários:

Biel, o Bardo disse...

amiga gabi... se a gente for parar para colocar as coisas preconceituosas que se tem por ai... ihhh... vai um post do tamanho da ignorancia de todo mundo!
e é preciso cuidado para se falar em preconceito para justamente nao cometê-lo... às vezez quando se expressa uma predileção, acaba permitindo uma interpretação errada sobre aquilo de que não se gosta - podendo pensar que é preconceito.
E isso serve para pessoas, regionalismos, etnias, esportes, sexualidade, conta bancária.... bla bla bla....

outro!!

Lidianne Andrade disse...

enumer os preconceitos existentes no Brasil é cansar os dedos, nariz, boca, enfim
amei seu blog e valew pela visita no meu!

~ a Juh! disse...

Preconceito é uma coisa extremamente delicada. E relativa também, porque você pode falar uma coisa que pra você não tem nada a ver e ofender determinada pessoa.
Por isso devemos pensar bem no que e como falamos.

Li o post da Luiza sobre a Miss que ficou em segundo lugar ser gordinha. Quanto a esse papo de gordura eu acho que não é só por relaxo. Tem uma série de disturbios que levam a obesidade e são difíceis de tratar. E sou contra a ditadura de que mulher pra ser bonita tem que ser uma tábua. Cada uma tem que ser feliz do jeito que é, mas é claro que de uma forma saudável, ou pelo menos tentando ser.
Eu entendi um pouco do propósito do post dela, embora no começo do texto ela tenha se mostrado preconceituosa ao meu ver, mas no final eu saquei o lance sobre a saúde e talz. Mas ela poderia ter especificado mais. Acho que foi aí que o problema todo começou.

Eu acredito que o que falta no mundo é amor. Pode soar piegas, mas acho que é isso mesmo. Porque se as pessoas tivessem amor no coração não destratariam os outros. Somos todos iguais. Como minha mãe diz, quando morrermos vamos todos apodrecer do mesmo jeito. Ninguém é melhor do que ninguém!
Fica a frase: "Não faça aos outros o que não gostaria que fizessem a você!"

Eu já li esse livro da Valéria, muito bom por sinal!

Beeeeeeeeijos

Rafaela ;) disse...

Obrigada pelos elogios e adorei o post!
Não dá mesmo pra fechar os olhos para o preconceito, não!
Tenha um ótimo feriado!

Stê disse...

Eu acho toda forma de preconceito ridícula...
E não acho que deva se ter tolerância com esse tipo de argumento...
Que pelos padrões de beleza impostos realmente a garota lá está fora, mas isso porque vivemos numa sociedade que cultua uma única forma de beleza e ignora que ela está justamente na individualidade.
Eu acho muito legal ela ter ficado em segundo lugar, sinal de que as pessoas estão começando a pensar racionalmente.

Barbara Bastos disse...

Desculpe a demora em retribuir os comentários. Tô meio atrasada nas minhas leituras. Andei me aprofundando em Anais Nin e acabei por me esquecer do resto..aff.
Adorei sua reflexão e a forma como colocou eticamente todas as circunstâncias citadas.
Realmente é desprezível toda e qualquer forma de preconceito.
Fico absolutamente indignada com a postura destas pessoas "Ocas", que preocupam-se em distribuir rótulos exdrúxulos ou invés de se procurarem em melhorar nossa convivência humana.
Parabéns pelo texto.
Mil beijos
Barbara

Mari disse...

Preconceito existe em todo o canto do mundo e acho muito difícil que ele suma, se olharmos bem para dentro é capaz de encontrarmos preconceito sobre algo, mesmo que isso não seja dito em voz alta. E como disse Nietzsche: "Toda palavra é um pré-conceito."
Então basta aos seres humanos o discernimento.

Sheila e Bia disse...

achei seu blog bem legal...com uma super consciência nao só humana, mas tbm social...gosto de mulheres assim!!! fortes e resolvidas!!
abraços miga!!

ALGUÉM disse...

é.....
só acabando com esse mundo e nascendo outro....
às vezes penso assim...
porque já tá tudo tão torto..

ah! tem post novo...
Abração.